Comunicação
Notícias
Clipping
Periódicos
Informa
Boletim
Novo Milênio
Outras Palavras
O Equilibrista
Cartilhas
Publicações
Artigos
DIÁRIO DE ACAMPAMENTO
Documentação Técnica
Resoluções
Orientações
Instruções
Comunicados
Informes
Legislação Nacional
Legislação Estadual
Plano de Carreira
Tabela Salarial
Especiais
Campanhas Salariais
Aposentados
Redes Municipais
CAMPANHA SALARIAL 2014
GREVE 2014
Links
Redes Sociais
Biblioteca
Blogs
FICHA DE FILIAÇÃO
Concurso
Departamento Jurídico
Decretos
1/3 Hora Atividade
Revista do Brasil
Carta Maior
Estado divulga tabela de remuneração dos professores

Em 2011, categoria fez greve de 112 dias, com muitas manifestações

Os professores da rede estadual de ensino começaram ontem a consultar no site da Educação (portaldoservidor.mg.gov.br) qual será a nova remuneração deles, estabelecida por meio do subsídio. O modelo incorporou os benefícios da categoria ao salário, aprovado em novembro do ano passado. Mesmo que esteja disponibilizado, o Estado informou que todos os servidores vão receber uma carta com os valores a serem recebidos até 2015.

A professora de biologia Idalina Franco de Oliveira recebia R$ 1.537, foi reposicionada em uma nova tabela salarial e vai passar a receber R$ 1.558 neste ano, um aumento de R$ 21. Em 2015, data que o governo fixou para regularizar a situação de todos os professores, Idalina estará recebendo R$ 2.362. A diferença de R$ 804 será parcelada nos próximos quatro anos.
"O governo congelou o nosso salário. Se eu fosse receber o piso salarial nacional de R$ 1.187, mais os benefícios que adquiri na minha carreira, neste ano eu deveria ganhar pelo menos R$ 2.300".

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE) elaborou uma tabela com os valores relativos à aplicação do piso nacional na carreira antiga (com piso mais benefícios) para comparar com o subsídio. "Queremos mostrar que o governo está congelando o salário, não há nenhuma vantagem", disse a coordenadora do Sind-UTE, Beatriz Cerqueira.
A professora de português Débora Martins, 35, já decidiu procurar outro emprego. "Em 2015, vou receber R$ 1.420, R$ 395 a mais do que ganho hoje. Tenho mestrado e adoro minha profissão, mas parece que o Estado não quer professores qualificados", afirmou.

De acordo com o governo, o modelo unificado assegura aos professores remunerações acima do piso nacional. O pagamento mínimo a partir de fevereiro será de R$ 1.122, para professores de nível médio com jornada de 24 horas semanais. O piso nacional proporcional à carga horária mineira é de R$ 712. Para o Estado, houve grande avanço na remuneração da categoria.


Rua Ipiranga, 80 - Floresta - BH - MG - CEP: 30.015-180 - Tel(31) 3481-2020 - Fax(31) 3481-2449