Comunicação
Notícias
Clipping
Periódicos
Informa
Boletim
Novo Milênio
Outras Palavras
O Equilibrista
Cartilhas
Publicações
Artigos
DIÁRIO DE ACAMPAMENTO
Documentação Técnica
Resoluções
Orientações
Instruções
Comunicados
Informes
Legislação Nacional
Legislação Estadual
Plano de Carreira
Tabela Salarial
Especiais
Campanhas Salariais
Aposentados
Redes Municipais
CAMPANHA SALARIAL 2014
GREVE 2014
Links
Redes Sociais
Biblioteca
Blogs
FICHA DE FILIAÇÃO
Concurso
Departamento Jurídico
Decretos
1/3 Hora Atividade
Revista do Brasil
Carta Maior
Greve em Ibirité continua por tempo indeterminado

Trabalhadores e trabalhadoras em Educação da rede municipal de Ibirité promovem assembléia na próxima quarta-feira, 4/5, às 8 horas, em frente à Prefeitura para discutir os rumos do movimento de greve em vigor desde o dia 25/4 último.

Aproximadamente 70% dos trabalhadores das 27 escolas de Ibirité aderiram à greve. A categoria aguarda um posicionamento da Prefeitura em relação às reivindicações apresentadas até o dia 4/5, após a Assembléia. Caso não haja resposta, a paralisação por tempo indeterminado será mantida.  

A mobilização acontece em função da ausência de diálogo da Prefeitura com a categoria, já que até o momento a administração municipal não respondeu a nenhum dos itens da pauta de reivindicações, protocolada e entregue ao Governo no dia 31 de janeiro deste ano.

As principais exigências dos trabalhadores em educação dizem respeito à imediata implantação do Piso Salarial Nacional de R$ 1,597,87 e apoio da administração na realização de conferências municipais de Educação.

Além disso, a categoria reivindica reajuste salarial e redução da jornada de trabalho dos auxiliares de Serviços Gerais, que recebem remuneração de um salário mínimo para uma jornada de 40 horas, enquanto em outros municípios da Região Metropolitana o valor pago é de R$ 698,00 para 30 horas trabalhadas.

De acordo com diretor do Sind-UTE/Ibirité, Edison Luis de Oliveira, a ausência do diálogo é o principal entrave na negociação entre os trabalhadores e o Governo. “A Prefeitura se recusa a negociar conosco, o que é um absurdo, pois estamos lutando, não só pela categoria, mas também por uma educação de qualidade em nosso município”.

Insatisfação geral
O problema flagrante em Ibirité e que se traduz em descontentamento do trabalhador em educação refere-se às péssimas condições de trabalho. Há também grande insatisfação face ao não posicionamento oficial do Governo Estadual sobre a regulamentação do Piso Salarial Nacional, ratificado em decisão favorável do Supremo Tribunal Federal (STF), em audiência realizada dia 6/4, em Brasília.  

Sind-UTE/MG – assessoria: Eficaz Comunicação: 3047-6122 e 9968-0671


Rua Ipiranga, 80 - Floresta - BH - MG - CEP: 30.015-180 - Tel(31) 3481-2020 - Fax(31) 3481-2449