Comunicação
Notícias
Clipping
Periódicos
Informa
Boletim
Programa Outras Palavras
Outras Palavras
O Equilibrista
Cartilhas
Publicações
Artigos
DIÁRIO DE ACAMPAMENTO
Documentação Técnica
Resoluções
Orientações
Instruções
Comunicados
Informes
Legislação Nacional
Legislação Estadual
Plano de Carreira
Tabela Salarial
Especiais
Campanhas Salariais
Aposentados
Redes Municipais
21 de abril - Ouro Preto - ENTREGA DA MEDALHA QUEM LUTA, EDUCA!
ÁUDIOS E VÍDEOS DA GREVE
CONAPE 2018
ENCONTRO ESTADUAL ASBs
ENCONTRO PEDAGÓGICO LATINOAMERICANO
GREVE NACIONAL NA EDUCAÇÃO
INFORMAÇÕES SOBRE A GREVE
INFORME SIND-UTE/MG
JURÍDICO - Ações judiciais/editais
Links
Material de Divulgação Pesquisa Sindute
Pensar a Educação Pensar o Brasil
Redes Sociais
REFORMA DA PREVIDÊNCIA - DIGA NÃO!
REPERCUSSÃO DA GREVE
RODA DE CONVERSA
10º Congresso do Sind-UTE/MG
Biblioteca
Blogs
CAMPANHA SALARIAL EDUCACIONAL 2015
EDITAL DE CONVOCAÇÃO - Subsedes
GREVE 2014
GREVE SREs e ÓRGÃO CENTRAL NA MÍDIA
LEI 100
VII CONFERÊNCIA ESTADUAL
FICHA DE FILIAÇÃO
Concurso
Vagas Rede Estadual
Decretos
1/3 Hora Atividade
Revista do Brasil
Carta Maior
Assembleia vota pelo Estado de Greve na rede estadual e suspensão temporária da greve
Assembleia vota pelo Estado de Greve na rede estadual e suspensão temporária da greve

Em assembleia estadual realizada na tarde desta quarta-feira, dia 18/04/18, os/as trabalhadores/as em Educação votaram e decidiram pelo estado de greve na rede estadual e suspensão temporária da greve por tempo indeterminado. 

A decisão da categoria foi tomada a partir das avaliações das regiões sobre o quadro atual do movimento. A categoria ouviu o relato do Comando Estadual de Greve, que se reuniu no período da manhã, ouviu diferentes posições sobre a continuidade e a suspensão da greve e votou pelo "Estado de Greve", com a suspensão temporária da greve, por tempo indeterminado, com as seguintes propostas: 

- Vincular o Estado de Greve à promulgação da PEC 49/18 sobre o Piso Salarial.

- Realizar a negociação da reposição somente após a promulgação da PEC como forma de pressão. O processo deve ser construído coletivamente de modo a impedir retaliações, assédio moral e outras práticas semelhantes. 

- Mobilizar para pressionar pela votação da PEC 49/18  realizando paralisações com caravanas nas votações de 1º e 2º turnos. 

- Realizar ações permanentes de cobrança de todos os retroativos e passivos que o governo do estado deve à categoria com dia estadual de cobrança por mês, pelo tempo que for necessário.

- Realizar reuniões dos comandos locais de greve e diálogo com a sociedade sobre a suspensão temporária da greve e a continuidade das mobilizações. 

- Participar do Ato nacional em Ouro Preto e levar a cobrança das nossas questões estaduais. 

- Retorno às atividades no dia 23/04 (segunda-feira). O governo será notificado da data pelo Sindicato. 

- Concordar com as seguintes questões que já foram apresentadas pelo governo à categoria:
 
1. Regularização dos pagamentos de prestadores de serviço pelo IPSEMG até junho deste ano incluindo o cartão-farmácia. 
2. Retomada das nomeações do concurso (serão no mínimo 10 mil nomeações em 2018).
3. Retorno do pagamento de férias-prêmio em espécie para quem já aposentou.
4. Pagamento do retroativo do reajuste de 2016 (pagamento parcelado de abril a dezembro deste ano).
5. Negociação das demandas dos/as servidores/as de Superintendências Regionais de Ensino e do Órgão Central sobre jornada de trabalho e férias-prêmio.
6. Continuidade de negociação das demais reivindicações da pauta. 


De acordo com a avaliação da assembleia, a categoria continua a luta e a cobrança ao governador Fernando Pimentel de todas as questões que não foram resolvidas até o momento. 


Apoios recebidos


Durante assembleia estadual desta quarta-feira, duas importantes lideranças nacionais, Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e Sônia Guajajara, especialista em educação e coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil prestigiaram a luta dos profissionais da educação.

Exemplo de resistência
“Vocês são exemplo de resistência para o Brasil, num momento em que a nossa democracia está seriamente ameaçada. É uma honra e um grande prazer estar neste espaço em que professores, professoras e a classe trabalhadora resiste à retirada de seus direitos”, disse Boulos.

Solidariedade dos povos indígenas
Sônia Guajajara também trouxe o abraço de seu povo às lutadoras e lutadores em defesa de uma educação pública de qualidade e disse que todas as vezes que os trabalhadores em educação de Minas levantarem a voz em defesa de seus direitos  a solidariedade dos povos indígenas do Brasil.


Diversas entidades sindicais, populares e estudantis, também levaram apoio aos educadores/as de Minas Gerais. MAB, MST, Sindieletro-MG, UNE, UBES, CUT/MG, CTB/MG, Sinpro/MG, Levante Popular da Juventude, entre outras.


Vocês nos ensinam!
Soniamara Maranho, do MAB, Movimento dos Atingidos por Barragens, voltou a lembrar que a educação, com sua luta politizada e firme é exemplo para outras categorias e para a classe trabalhadora como um todo.

Luta permanente
A presidenta da CTB Minas e do Sinpro/MG, Valéria Morato, destacou a importância da unidade na luta e ressaltou que a suspensão do movimento não põe fim à luta da educação, que é permanente e extremamente importante.


Aplausos
Glaubert Reis, da UCMG, União Colegial de Minas falou em nome de todas as entidades estudantis presentes e disse que os estudantes aplaudem o movimento dos profissionais da educação.

Lutar e resistir!
Jairo Nogueira, secretário-geral da CUT/MG, também manifestou a admiração que as entidades sindicais, especialmente, as do ramo CUTista têm dos trabalhadores e das trabalhadoras em educação. “Com vocês a gente aprende a lutar e a resistir.”

Moções de Repúdio

Pela manhã, durante Conselho Geral, os comandos locais de greve fizeram uma ampla discussão do movimento em suas bases e avaliaram todo o processo de luta construído. Dos 31 comandos de greve presentes, 22 avaliaram  pela suspensão temporária da greve, seis disseram que iriam acompanhar a decisão da assembleia e outros três se posicionaram pela continuidade da greve por tempo indeterminado, decisões que foram reportadas a toda a categoria no período da tarde. Também foi votada e aprovação moção de repúdio à prisão política do ex-prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado. 

18/04/2018 - Clique abaixo para acessar a galeria de fotos

 

Fotos: Taís Ferreira - Sind-UTE/MG

Conteúdo e Vídeos: StudiumEficaz


 
 

Rua Ipiranga, 80 - Floresta - BH - MG - CEP: 30.015-180 - Tel(31) 3481-2020 - Fax(31) 3481-2449